Evangélicos e judeus celebram a "Festa dos Tabernáculos" em Jerusalém

Entre 23 e 30 de setembro deste ano, judeus de todo o mundo celebram a "Festa dos Tabernáculos", sukkot em hebraico, conforme a instrução dada por Deus em Levítico 23 e Deuteronômio 16.

Conforme vem acontecendo nas últimas décadas, cristãos de diferentes denominações também celebraram a festa, ainda que em eventos distintos. 

Cerca de 7.000 evangélicos vindos de mais de 100 países diferentes participaram de uma marcha em Jerusalém na quinta-feira (27), anunciando que esperavam pelo retorno de Jesus Cristo.

Segundo o jornal Jerusalem Post, uma das maiores delegações era do Brasil, com 900 membros. Outras 500 pessoas vieram da Costa do Marfim, superando até mesmo a congregação dos EUA, com pouco mais de quatro centenas.

O evento, organizado anualmente pela Embaixada Cristã Internacional de Jerusalém (ICEJ) desde 1979, tem como objetivo resgatar uma tradição bíblica e antecipar a promessa de que "as nações do mundo virão a Jerusalém", conforme Zacarias 14:16.

"Durante a Festa dos Tabernáculos o povo judeu deveria se reunir em Jerusalém não apenas para lembrar a provisão de Deus no deserto, mas também para esperar aquela era messiânica prometida quando todas as nações fluíssem para esta cidade para adorar o Senhor", afirma o site da ICEJ.

Participantes brasileiros da Marcha. (Foto: International Christian Embassy Jerusalem)

Participante do evento, a pastora brasileira Eliana Cabral, explica: "Estamos apoiando este país e orando por Israel, porque se Israel estiver forte, logo veremos a vinda de Jesus. Nós estamos aqui porque queremos mostrar o Senhor Jesus, para este povo, para Israel".

Oficiais do governo israelense saudaram o evento e os milhares de participantes evangélicos. Akiva Tor, do Ministério das Relações Exteriores de Israel, comemora: "Há um grande número de cristãos interessados ​​em visitar Israel e entender Israel. Isso, claro, é muito útil para melhorar nossa posição internacional."

Apoio mútuo

Paralelamente à marcha dos evangélicos, milhares de judeus foram até o Muro das Lamentações para receber a "bênção sacerdotal", um costume milenar.

Alguns dos israelenses que assistiram a marcha dos cristãos pelo centro de Jerusalém, agradeciam pelo apoio a Israel, à medida que os grupos passavam, segurando a bandeiras de cada país representado.

Havia também organizações oficiais presentes, associações e empresas privadas de Israel que marcharam como acompanharam os evangélicos, em uma atmosfera festiva com música, cantos e danças que pararam o centro da cidade por quase duas horas.

Muitos destacavam a importância desse 'apoio mútuo' em especial por ser o primeiro evento do tipo após o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel.

Com informações de Jerusalem Post